A decolagem é multada por não alertar os clientes sobre os riscos na compra de passagens

A empresa de viagens Decolar foi multada em mais de R $ 752 mil por não informar os clientes sobre os riscos de comprar passagens da Avianca Brasil (Oceanair). A companhia aérea entrou com pedido de recuperação judicial em dezembro de 2018. A decisão da Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor), obtida pelo jornal O Globo, deve ser publicada no Diário Oficial da União nesta terça-feira (27 de julho de 2021) .De acordo com o relatório, os consumidores não foram alertados sobre o possível cancelamento de voos devido à situação financeira e jurídica da Avianca. A Secretaria considerou que era dever da Decolar informar que a companhia aérea estava em crise. A Decolar afirmou ter prestado todo o suporte aos clientes que tiveram seus voos cancelados. Disse ainda que aguarda notificação do tribunal para avaliar as opções de recurso. “A Decolar tem tomado todas as medidas necessárias para apoiar seus clientes afetados pelos cancelamentos de voos da Avianca Brasil durante o processo de recuperação judicial da companhia aérea. Assim, atendeu à legislação de relações de consumo e às normas da ANAC - Agência Nacional de Aviação Civil ”, enfatizou a agência em nota. Com uma dívida estimada em cerca de R $ 2.7 bilhões, a Avianca Brasil entrou em recuperação judicial em 2018. No ano seguinte, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) suspendeu todos os voos da companhia por argumentar que não tinha capacidade para operar com segurança. O pedido de falência foi apresentado em julho de 2020, quando a companhia aérea alegou ter sido fortemente impactada pela crise econômica de 2014, o aumento dos preços dos combustíveis e do dólar e a greve dos caminhoneiros de 2018. continue lendo